02/05/2019

OPT: SAIBA TUDO SOBRE ESTUDAR E TRABALHAR NOS EUA

Muitas pessoas tem o sonho de estudar fora: a vivência com outra cultura, a qualidade da educação e as oportunidades que se abrem são apenas alguns dos motivos que levam diversas pessoas a traçarem o intenso, mas recompensador caminho de application. Jullie Harten, foi uma dessas pessoas - graduou-se em Rádio, Tv e Internet pela UFPE e foi exatamente com esse interesse na área de inovação, quando isso tudo ainda era novidade, que ela passou a integrar o time de professores da ABA, unindo educação e tecnologia e, atualmente como coordenadora dos programa de cursos online.

De olho no futuro, ela decidiu fazer uma pós-graduação nos EUA e, com a ajuda do GlobEducar, foi aceita para um mestrado profissional e acadêmico em Design, na New York University. A NYU além de ficar no coração de Manhattan, é referência quando o assunto é MBA e tem como uma das características principais o incentivo à prática aliada aos estudos. Foi durante esse tempo lá que Jullie conheceu mais sobre o Optional Practical Training (OPT) e nos conta um pouco da sua experiência abaixo:

  1. Julie, o que é o OPT?

O OPT, Optional Practical Training é um programa voltado estudantes internacionais na graduação e na pós-graduação que tenham interesse em trabalhar até um ano dentro da sua área de formação. E esse tempo pode ser antes da graduação ou depois.

  1. Onde você trabalhou e como era o seu trabalho?

Eu fiz um estágio durante a graduação e o OPT após eu me formar. Passei um ano lá só trabalhando e coincidentemente eu trabalhei na mesma universidade que eu estudava, a New York University, mas num departamento diferente. Como deve ser dentro da sua área de estudo, eu atuei na área de Design educacional. Trabalhava em parceria com os professores da faculdade no desenvolvimento dos cursos, tanto online como presenciais.

  1. Quais as regras para poder participar?

Existem algumas regrinhas para poder participar como por exemplo:

  • Estar no curso há mais de 9 meses;
  • Deve ser um estudante full-time;
  • O trabalho deve ser totalmente ligado à sua área de formação (ou curso em andamento).
  • Enquanto a graduação, é permitido trabalhar 20h semanais durante o semestre e 40h em férias e feriados. Após a graduação, você pode trabalhar full-time (40h/semanais).
  1. Como foi o processo de aplicação?

Sobre o processo de aplicação, é importante ressaltar que você só pode trabalhar depois do recebimento da autorização para trabalhar nos EUA, o Employment Authorization Document (EAD). Normalmente o processo se inicia com o OPT application e a própria Universidade, normalmente, encaminha o aluno para os próximos passos. É sempre bom conferir a informação diretamente no site, porque às vezes esses detalhes são atualizados.

  1. Quais as diferenças na hora de preparar o currículo?

A maior diferença que eu percebi na hora de preparar meus currículos é uma certa exigência implícita de ter o currículo em apenas uma folha. Ao contrário do Brasil, onde eu tinha pelo menos duas folhas, durante o processo de enviar currículos em busca de uma vaga, a resposta que eu tive foi muito mais rápida e positiva depois de fazer essa mudança. Além de tudo, o fato de ser somente uma página ajuda aquelas pessoas que não têm um currículo tão extenso.

Uma outra coisa é a descrição das atividades que você exerceu anteriormente. Enquanto no Brasil eu apenas citava o lugar que trabalhei e a posição que ocupava na empresa, nos EUA notei a importância de descrever o que eu desenvolvia no cargo. É bom porque além de esclarecer mais as funções desenvolvidas, também mostra as soft skills “escondidas” ali, como por exemplo: pensamento crítico, criatividade, inteligência emocional, etc. A exigência explícita desse tipo de habilidade comportamental, inclusive, está cada vez mais em alta no mercado, por isso é sempre bom deixar isso claro na hora de descrever as suas funções.